em Artigos

A empresa de capital de risco Growth Partners, sediada em Madrid, adquiriu uma participação na filial do grupo industrial português Campicarn, CampI&D, com recursos do programa Consolidar do Banco Português de Fomento. O investimento ascendeu a 6,4 milhões de euros, sendo 60% provenientes do Fundo de Capitalização e Resiliência do banco e 40% de investidores privados angariados pela Growth. Os novos fundos ajudarão a Campicarn a financiar a sua expansão industrial em Torres Novas e a expandir o seu volume de negócios de 130 milhões de euros para 250 milhões de euros. Parte da expansão virá de uma nova fábrica em Torres Novas, que aumentará a capacidade da Campicarn em Famalicão. A nova fábrica deverá empregar 70 a 90 pessoas e concentrar-se-á em produtos alternativos à carne de bovino, desenvolvendo produtos veganos para explorar uma área do mercado que está a crescer de acordo com a tendência de redução do consumo de carne.

 

A entrada da Growth na CampI&D inclui também uma opção para a própria empresa de capital de risco entrar na Campicarn no futuro. O acordo marca a primeira operação a trazer fundos do programa Consolidar para a economia portuguesa. No âmbito desta iniciativa, a Growth tem duas outras transações em negociação, envolvendo investimentos numa empresa de energias renováveis e outra na área da logística. Estas duas empresas podem representar um investimento adicional de 10 milhões de euros.

 

A Growth Partners Capital já investiu em participações de 40% a 64% em várias empresas, incluindo a Timestamp, GRT, Freshlog, Clínica Espregueira, TerralWind e Wedrone. A empresa de capital de risco vê-se a si própria como um operador ibérico, tendo investido perto de 90 milhões de euros em Portugal desde o seu início. A carteira total de ativos sob gestão atingiu os 170 milhões de euros, e o objetivo é elevá-la para 200 milhões de euros até ao final deste ano.

 

O Banco Português de Fomento aprovou a canalização de 10 a 50 milhões de euros para cada fundo beneficiário, no âmbito do programa Consolidar. O banco selecionou 14 empresas de gestão de capital de risco como intermediárias para o investimento de 500 milhões de euros. Estes capitais de risco comprometeram-se a angariar investimento privado, o que elevará para pelo menos 752 milhões de euros os montantes que serão investidos nas empresas. Os capitais de risco aprovados pela BPF investiram em empresas de vários sectores, incluindo o farmacêutico, cosmético, automação industrial, software, e energias renováveis.

 

Mais uma marca notória de investimento e confiança no mercado e na economia portuguesa que deve servir de exemplo a seguir e de prova que Portugal também floresce a nível empresarial quando boas ideias se juntam com boas estruturas de gestão e investimento.

Outras Publicações

Deixe um Comentário

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar